"Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi e vos constituí para que vades e produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. Eu assim vos constituí, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda."João 15,16

Seguidores

domingo, 11 de março de 2012

Expulsão dos vendilhões ( 3º DOMINGO DA QUARESMA )



Em nossa caminhada pascal, subimos com Jesus ao templo de Jerusalém, testemunhamos sua profecia sobre uma prática religiosa ligada justiça e recebemos dele o anúncio de sua ressurreição. Celebramos a páscoa de Jesus Cristo que acontece em todas as pessoas e grupos que ligam fé e vida, culto e justiça e desejam ansiosamente a realização plena do seu reino.


Derramarei sobre vocês uma água pura e serão purificados de todas as faltas. Darei a vocês um novo espírito! (Ez 36,23-26)



A proximidade da páscoa, com o seu grande consumo de animais, fazia com que o átrio do templo de Jerusalém se convertesse em um estábulo. Além disso, para o tributo do templo, o povo tinha que trocar dinheiro. Neste contexto e contra esses abusos, Jesus, continuando a tradição dos grandes profetas do povo de Israel, desde Natã até Jeremias, de desconfiança e crítica profética ao templo, realizou uma ação simbólica para expressar um oráculo e uma palavra de Deus. Assim, ele cumpriu a profecia de Zc 14,21, que anunciava o dia em que não haveria mais mercadores no templo do Senhor. O gesto de Jesus é apresentado como o anúncio da superação do templo e da introdução de uma nova compreensão de culto a Deus, baseado na obediência ao Pai. O lugar da verdadeira adoração de Deus não será mais o templo de Jerusalém, comprometido com os poderes do mundo, mas o templo do seu corpo martirizado e glorificado.
O(a) discípulo(a) de Jesus é convidado(a), na quaresma, a retomar este núcleo central da relação com Deus, a aliança com o Cristo, nova morada de Deus entre o seu povo. A prática de seus ensinamentos, em continuidade com o proclamado e o anunciado no domingo passado ( "Este é meu filho amado, escutem o que ele diz!"), torna-se a nova forma de adorarmos a Deus e constitui a essência do culto cristão. Como não cessavam de lembrar os pais da Igreja, "a prática da justiça constitue os sacrifícios que fazemos a Deus; o afastamento dos crimes, a forma com que nos reconciliamos com Deus; tirar um homem do perigo que lhe ameaça, a vítima mais preciosa que podemos imolar a Deus, de forma que, quanto mais se é justo, mais se é religioso" (Minúcio Félix).
Dessa forma, a comunidade dos que creem em Jesus, como corpo de Cristo, é o novo templo de Deus. E a assembleia da comunidade reunida para a celebração torna-se o lugar de realização desta adoração em espírito e verdade, onde ressoa a palavra do evangelho e onde se faz a memória subversiva da prática de Jesus, que não se apegou à sua vida, mas se deu em serviço de amor a seus irmãos. Participando do memorial da sua entrega, recebemos a graça de sermos fiéis ao desígnio de Deus, tornando-nos pedras vivas da construção de sua aliança.

Um comentário:

Renata disse...

Oi amadinha do meu ♥! Fazia tempo que não sobrava tempo pro blog heheheheh Estou colocando algumas visitas em dia, e agradeço o selinho!!! E seu blog está lindoooooooooooo! Amei a roupinha nova dele, parabéns! Bjokas!!!